quarta-feira, 16 de maio de 2007

Biografia de alguns mestres

MESTRE PASTINHA - BA (1889/1981)
"A Capoeira é tudo que a boca come e tudo que o corpo dá"
Vicente Joaquim Ferreira Pastinha, filho de pai espanhol e mãe baiana, é um dos mais importantes "Velhos Mestres da Capoeira". Foi um dos fundadores do Centro Esportivo de Capoeira Angola e teve como Mestre o negro e ex-escravo Benedito. Artista, poeta, escritor, filósofo e, acima de tudo em Capoeira, Mestre Pastinha conta em sua obra com o livro "Capoeira Angola", publicado em 1964 e com disco fonográfico "Capoeira Angola -Mestre Pastinha e sua Academia" (Philips. 1969). Conquistou a admiração de renomados artistas e intelectuais como Jorge Amado, Carybé, Mário Cravo, dentre outros que tiveram o privilégio de conviver com o Mestre. Participou, representando o Brasil, do I Festival Internacional de Arte Negra de Dakar ."Seu Pastinha", ainda hoje, é considerado como o grande divulgador do "Tao da Capoeira"

MESTRE BIMBA - BA (1900-1974)
"A aranha vive do que tece"
Manoel dos Reis Machado, baiano de nascimento, filho de Luís Cândido Machado e de Maria Martinha do Bonfim, iniciou-se na Capoeira em 1912 com Bentinho, um Capitão da Cia de Navegação Baiana. Lutador por excelência, Mestre Bimba na década de 30, cria a "Capoeira Regional" como uma forma de "resgatar" a característica de luta da Capoeira. Em 1932, funda a primeira academia de Capoeira do mundo, existente até hoje no Centro Histórico de Salvador. No decorrer de sua mestria, teve como alunos pessoas influentes e de destaque da sociedade baiana como o Dr. Antônio Carlos Magalhães, o Dr. Lomanto Júnior e o Dr. Decânio entre outros. Mestre Bimba é considerado por muitos, como o "Pai da Capoeira Moderna" - já que criou um método próprio de ensino - e também como um dos grandes responsáveis pela aceitação. da Capoeira como uma modalidade de Esporte, interrompendo o processo de repressão policial e amenizando a discriminação social sofrida até então.
MESTRE NORONHA - BA (1909/1977)
"O capoeira deve ser muito educado ao ser apresentado nos altos meios sociais. Se valente, deixar de lado esta vida que já se passou. Devemos adquirir lastro de amizade. É o que devemos fazer".
Daniel Coutinho, nasceu em Salvador (BA), na Baixa do Sapateiros e iniciou seu aprendizado na Capoeira com Cândido da Costa (Cândido Pequeno) aos 8 anos de idade. Foi engraxate, estivador, doqueiro, trapicheiro e ajudante de caminhão. Junto com Livino, Maré, Amorzinho, Aberrê, Percílio, Geraldo Chapeleiro, Juvenal Engraxate, Geraldo Pé de Abelha, Zehí, Feliciano Bigode de Seda, Bom Nome, Henrique Cara Queimada, Onça Preta, Cimento, Argemiro Grande, Argemiro Olho de Pombo, Antônio Galindeu, Antônio Boca de Porco, Cândido Pequeno (Argolinha de ouro), Lúcio Pequeno e Paquete do Cabula fundou o "Primeiro Centro de Capoeira Angola do Estado da Bahia", em Ladeira da Pedra, Gengibirra, na Liberdade. Com Livino fundou, também o "Centro de Capoeira Angola da Conceição da Praia". Deixou seus manuscritos organizados por Frede Abreu e publicados pelo Programa Nacional de Capoeira, intitulado "ABC da Capoeira Angola".
MESTRE COBRINHA VERDE - BA ( 1917 - 1983 )
"Dois angoleiros que entendem de luta não podem disputá-la, porque um quer vencer o outro e pode aplicar um golpe mortal"
Rafael Alves França, mandingueiro respeitadíssimo no seu percurso por este mundo de meu Deus. Nasceu em Santo Amaro da Purificação (BA). Com 4 anos de idade iniciou-se na Capoeira pelas mãos de Besouro, seu primo carnal. Além de seu primeiro mestre, Cobrinha Verde também bebeu da sabedoria de Maitá, Licurí, Joité, Dendê, Gasolina, Siri de Mangue, Doze Homens, Espiridião, Juvêncio Grosso, Espinho Remoso, Neco, Canário Pardo e Tonha. Foi 3° Sargento no antigo Quartel do CR em Campo Grande, tendo participado também da Revolução de 32 entre outras pelejas. Durante muitos anos ensinou em seu Centro Esportivo de Capoeira Angola Dois de Julho, com sede no Alto de Santa Cruz, s/ n°, no Nordeste de Amaralina.
MESTRE WALDEMAR DE PERO VAZ - BA (1916 - 1990) "Um esporte que eu estimo é essa luta Angola"
Waldemar Rodrigues da Paixão, cantador absoluto, Capoeira desde rapaz, esteve presente nessa Roda, sempre ensinando com seu canto, mostrando como é que faz. Teve como seus Mestres, nada menos do que Siri de Mangue, Tanabí e Canário Pardo. Frequentador assíduo das Festas de Largo, tinha o seu barracão, na Liberdade, onde ensinava e promovia as suas Rodas, muito conhecidas e apreciadas por todos e frequentadas por capoeiras e artistas como o notável Carybé. Ficou conhecido também pela qualidade e beleza dos berimbaus que fabricava. Temido e respeitado, por todos com quem jogava, teve vários admiradores e alunos, dentres eles Zacarias. Muitos e muitos capoeiristas e estudiosos, várias vezes recorrem ao Mestre que sempre atendeu a todos com a simpatia e cortesia de um Capoeira genuíno. Hoje Mestre Waldemar anda por outras Rodas, porém aqueles que passam pela Avenida Peixe, na Liberdade, ainda podem sentir a sua presença e ouvir o seu inconfundível canto, acompanhado com seu "berimbau voizero".
MESTRE BIGODINHO - BA (1922)
Francisco de Assis é conhecido na Roda de Capoeira Angola como Bigodinho, na Roda de Capoeira Regional como Gigante e pelos mais antigos como Pequenininho. Iniciou-se na Capoeira no Jardim Suspenso da Barra, com Mestre Cobrinha Verde e depois foi aluno de Mestre Pastinha. "Mudou de partido" quando foi para a academia de Mestre Bimba. Parceiro de Menino Gordo (muitas vezes confundido com ele por ser muito pareceido) começou a ensinar no Seminário Central, passando depois para a sua Academia "Capoeira São Gonçalo", com sede à Rua Rodrigues Ferreira, 226, na Federação. Frequentador assíduo das Rodas no Lar das Pombas (aos domingos) e na Barra, no Jardim Baiano, Mestre Bigodinho tem no rol de sua criação o toque de Berimbau chamado "Cinco Salomão", que como ele diz é para "jogo miudinho, em baixo, jogo miudinho no chão, só embaixo". Além de ter participado do filme "Os Cangaceiros" e ser um exímio contador de "causos", Mestre Gigante, como bom e apaixonado seresteiro, não rejeita um bom violão para cantar e relembrar aventuras do passado.
MESTRE CAlÇARA - BA (1923 - 1997)
"Roupa de homem não dá em menino"
Antônio Conceição Moraes, quem já não ouviu falar do famoso Mestre Caiçara da Bahia? Cantador de primeira qualidade, contador de muitos casos e estórias da Capoeira, tem sempre uma boa reza para oferecer aos seus camaradas e por certo, aos não camaradas também. Figura muito conhecida das Festas de Largo de Salvador, Mestre Caiçara sempre está presente em qualquer festejo popular, portanto em sua camisa as cores vermelho e verde, promovendo sempre a sua Academia Angola São Jorge dos irmãos Unidos do Mestre Caiçara, cujo o nome também é o título de seu primeiro disco fonográfico gravado pela AMC, São Paulo, e encontrado ainda nas lojas de disco. Defensor radical das tradições africanas é sempre bom receber em Nagâ, Ketu, Gêge e Angola, suas bençãos e ouvir sua opinião sobre os grandes Capoeiras do passado e suas considerações sobre a Capoeira de hoje. Todas as tardes ele se encontrava no terreiro de Jesus confabulando, vendendo seu peixe e gingando, mas no dia 28 de agosto de 1997, ele nos deixou com sua arte e magia.
MESTRE CANJIQUINHA - BA (1925- 1994)
"A Capoeira é alegria, é encanto, é segredo"
Washington Bruno da Silva, nasceu em Salvador (BA), filho de D. Amália Maria da Conceição. Aprendeu Capoeira com Antônio Raimundo - o legendário Aberrê. Iniciou-se na Capoeira em 1935, na Baixa do Tubo, no Matatu Pequeno. "No banheiro do finado Otaviano" (um banheiro público). Filho de lavadeira, Mestre Canjiquinha foi sapateiro, entregador de marmita, mecanógrafo. Dentre outras atividades foi também jogador de futebol (goleiro) do Ypiranga Esporte Clube, além de cantor de boleros nas noites soteropolitanas. Participou também dos filmes "O Pagador de Promessas", "Operação Tumulto", "Capitães de areia", "Barra Vento", "Senhor dos Navegantes" e "A moça Daquela Hora". Além de fotonovelas com Sílvio César e Leni Lyra. Fundou o Conjunto Folclórico Aberrê, tendo sido Mestre de Antônio Diabo, Paulo dos Anjos, Burro Inchado, Madame Geny, Vitor Careca, Robertão e Brasília, dentre outros nomes da Capoeira atual.
MESTRE TRAÍRA - BA
José Ramos Do Nascimento, Capoeira de fama na Bahia, marcou época e ganhou notabilidade ímpar na arte das Rasteiras e Cabeçadas. Nodisco fonográfico, produzido pela Editora Xauã, intitulado "Capoeira" - hoje uma das raridades mais preciosas para os estudiosos e adeptos desta Arte - tem presença marcante envolvendo a todos os ouvites. Sobre a beleza e periculosidade do seu jogo, assim se referiu Jorge Amado: "Traíra, um cabloco seco e de pouco falar, feito de músculos, grande mestre de capoeira. Vê-lo brincar é um verdadeiro prazer estético. Parece bailarino e só mesmo Pastinha pode competir com ele na beleza dos movimentos, na agilidade, na rigidez dos golpes. Quando Traíra não se encontrana Escola de Waldemar, está ali por perto, na Escola de Sete Molas, também na Liberdade". Mestre Traíra também teve importante participação no filme "Vadiação", de Alexandre Robatto Filho, produzido em 1954, junto aos outros grandes capoeiristas baianos como Curió, Nagé, Bimba, Waldemar, Caiçara, Crispim e outros."
Mestre Paraná - BA (1923 - 1972)
Osvaldo Lisboa dos Santos, conhecido como Mestre Paraná, foi um dos melhores tocadores de berimbau de todos os tempos. Nasceu em Salvador - Bahia - em 1923, sendo o primeiro a tocar berimbau na orquestra sinfônica do teatro municipal do Rio de Janeiro. Participou também no filme "O Pagador de Promessas". Esse angoleiro nato, foi aluno do Mestre Antônio Corró ex-escravo na Bahia, viajou por todo o Brasil, mostrando a capoeira e o som inigualável do seu "gunga", gravando um compacto duplo pela CBS (Capoeira Mestre Paraná), fato este o primeiro que se tem notícia. Convidado por Mercedes Batista, foi a Portugal divulgar a capoeira jogada no Brasil.Mestre Paraná fundou o Grupo de capoeira São Bento Pequeno nos anos 50, do qual com muito orgulho, constitui toda a formação do grupo Muzenza. No dia 7 de Março de 1972, no IAPASE (Rio de Janeiro), vítima de um súbito colapso cardíaco, morreu cantando o grande angoleiro, deixando uma lacuna em nossa capoeiragem.
Mestre Gegê - RJ (1949)
Geraldo da Costa Filho, nascido em 09/04/1949 na cidade Maragogipe/BA. Conheceu seu primeiro mestre os 7 anos de idade, na praia de São Joaquim, hoje Feira de São Joaquim/BA. Iniciou os primeiros passos com o Mestre Sete que possuía este apelido, por ter nascido de sete meses.Em 1956 ingressou no colégio interno onde estudou música, dentre outras atividades. Oriundo dos proprietários de navios negreiros. Em 1965 mudou-se para o Rio de Janeiro mas sempre viajava para sua terra natal, onde apartir de 1968 passou a frequentar o terreiro do Mestre Valdemar da Paixão e Traíra, no bairro de Pero Vaz em Salvador. No final da década de 1960, começou a frequentar as rodas de capoeira do Rio de Janeiro levado pelo seu irmão capoeirista, onde conheceu Touro da Penha, Mintirinha, Paulão, Corvo, Sillas, sendo todos na época alunos do Mestre Mintirinha.Seu último Mestre foi José Pedro do grupo Gaiamus - Nagos. Formado em história e hoje pertence ao departamento de pesquisa de historiadores do Grupo Muzenza.
Mestre João Grande - NY - USA (1933)
"A capoeira é como o mar, as ondas vão e vem!" João Oliveira dos Santos, Mestre João Grande, nascido na cidade de Itagí (BA), iniciou-se na Capoeira pelos ensinamentos de Vicente Joaquim Ferreira Pastinha (Mestre Pastinha). Já percorreu vários países da Europa, África e América do Norte - com o Grupo Folclórico "Viva Bahia", coordenado pela professora e folclorista Emília Biancardi - divulgando a sua arte e a obra de seu mestre. Foi condecorado, em 1990, com a Medalha do Mérito Desportivo, uma das mais altas condecorações na área do Esporte do Brasil. Mestre João Grande gravou, também em 1990, pelo Programa Nacional de Capoeira, o seu primeiro disco solo. Hoje, estabelecido em Nova lorque, é considerado um dos Mestres mais importantes da Capoeira Angola.
Mestre João Pequeno - Araci - BA (1917)
"A capoeira é uma coisa que nasce no sangue da gente. Na natureza e no espírito".
João Pereira dos Santos, o Mestre João Pequeno, nasceu na cidade de Araci (BA). Discípulo de Mestre Pastinha, que o apelidou de "Cobra Mansa", teve seu primeiro contato com a Capoeira por intermédio de Barbosa e Juvêncio. Gravou seu primeiro disco solo pelo Programa Nacional de Capoeira em 1990. Hoje é muito prorurado por alunos do Brasil e do exterior como uma das, referências vivas da Capoeira Angola. É o capoeirista mais velho do Brasil vivo.
Mestre Tony Vargas - RJ (1958)
Antonio César de Vargas, nasceu em 5 de abril de 1958, começou capoeira em 1968 com o Mestre Rony (do Grupo Palmares de Capoeira). Depois foi aluno do Mestre Touro, do grupo corda Bamba, na qual teve a honra de ser Cordel Azul. Em 1977 ingressou no grupo senzala para ser aluno do Mestre Peixinho que o formou com a corda vermelha em 1985. É formado em ed. física e pós-graduado em dança. Participou de diversos discos e tem músicas gravadas em vários CD´S, tem um cd gravado, e desenvolve um trabalho com crianças e coordena uma instituição de educação infantil. Mestre Tony é um dos maiores poetas da capoeira - foi homenageado pela Superliga Brasileira de Capoeira como um dos melhores do século em Curitiba - PR pelo Mestre Burguês em 09/09/2000.
Mestre Acoordeon - Califórnia - USA (1943)
Ubirajara Guimarães Almeida nasceu em Salvador em 1943 iniciou-se na capoeira em 1956 e foi um dos alunos do Mestre Bimba que mais se destacou. Em 1959 começou a ensinar capoeira e em 1961 abriu sua 1º academia denominada Quilombos.Atualmente ensina capoeira na cidade Berkeley Califórnia - USA. Já gravou vários cd´s e editou três livros.
Mestre Mintirinha - RJ (28/08/1950)
LUIZ AMÉRICO DA SILVA Aos 28 dias do mês de agosto do ano de 1950, no hospital de Bonsucesso, nasce Luiz Américo da Silva, o MESTRE MINTIRINHA. No ano de 1956, já aos 6 anos de idade, Luiz Américo estava acompanhado de sua mãe, passando por Bonsucesso, depois da Avenida Itaoca, escutou um som diferente, então desconhecido por ele, e pediu que sua mãe o levasse para ver do que se tratava, chegando lá para viu que era o som de um berimbau, e ficou fascinado com o que tinha visto, pessoas treinando uma luta ao som daquele instrumento que o encantara tanto, e então pediu para que sua mãe o matriculasse no GRUPO DE CAPOEIRA SÃO BENTO PEQUENO, que tinha como Mestre o Sr. Osvaldo Lisboa dos Santos, conhecido como MESTRE PARANÁ, que não cobrava nada e dava as suas aulas no fundo de um quintal.Devido a uma historinha, assim como em sua música, que chegou contando um dia, o Mestre Paraná disse: Agora conta outra “Mintirinha”, daí ficou apelidado de MINTIRINHA, sendo que teve outros apelidos, como Índio por exemplo.Mais tarde, já com seus 15 anos de idade, no ano de 1965, começou a dar aulas de capoeira para uma turma.Com mais ou menos quinze ou dezesseis anos, no ano de 1966, estava numa roda na quadra da ESTAÇÃO PRIMEIRA DE MANGUEIRA, quando Mestre Paraná o apresentou como Mestre Mintirinha.Nesta época existiam três grupos de capoeira, o Grupo de Capoeira São Bento Pequeno do Mestre Paraná, que ficava em Bonsucesso, o do Mestre Artur Emídio que ficava em Higienópolis e o do Mestre Mário Santos, da Bonfim, que ficava em Olaria. Sendo que o Luiz Américo, já apresentado como Mestre Mintirinha, foi convidado pelo Mestre Mário Santos para dar aulas na academia dele, no ano de 1966.Durante a sua vida como capoeirista o Mestre obteve várias glórias, algumas quando se consagrou como o 1º CAMPEÃO BRASILEIRO DE CAPOEIRA, TETRACAMPEÃO INTERESTADUAL DE CAPOEIRA PELA CONFEDERAÇÃO BRASILEIRA DE PUGILISMO, e muitas outras glórias.O Mestre é conhecido onde quer que vá, basta que seu Gunga faça o chamado para se saber que naquela roda encontra-se o mais antigo Mestre de capoeira da cidade do Rio de Janeiro. Além disto ainda é um excelente percursionista.O Mestre conheceu 18 países, teve a oportunidade de gravar com Paul Simom, conheceu Maria Bethânia ainda jovem.Durante um certo tempo de sua vida o Mestre trabalhou no Instituto Padre Severino, onde lecionou capoeira. Após conhecer a Sra. , Cleide, Hoje sua esposa, que o estimulou a dar aulas em academias, fundou o GRUPO TERRA DE CAPOEIRA, que já existe a 9 anos. O Mestre foi um dos primeiros capoeiristas a dar chutes em sacos de 120 Kg , o primeiro a quebrar mesas, telhas e outras coisas.O Mestre recebeu a maior honra dada a um Cidadão do Estado do Rio de Janeiro que é a Comenda Tiradentes na Assembléia Legislativa do Estado do Rio de Janeiro.Algumas frases do Mestre entre outras que ficaram na história.- “EU SOU O VENTO, EU PASSO ONDE VOCE NÃO PASSA , E QUANDO EU PASSO, VOCE NÃO FICA”- “SOU APENAS UM GRÃOZINHO DE AREIA NUM OCEANO CHAMADO CAPOEIRA, O MESTRE SE CHAMA DEUS.”

5 comentários:

Anônimo disse...

Entra no meu blog!!!!!!!!!!!
marcio97.blogspot.com

elia disse...

algumas biografias não estão de acordo com a realidade;a de mestre bigodinho por exemplo

hip-hop b-boy disse...

gostei mais falta auguns mestres ex:mestre gigante.

siri disse...

Mestre siri de mangue queria sabe sobre a historia dele

leandro cavalo disse...

Preciso da bibliografia do cara de peixe